Cursos MBA promovem o desenvolvimento multidisciplinar:

Os cursos MBAs no Brasil têm duração entre 360 hs/aula e 600 hs/aula a serem cumpridos num período de 12 a 24 meses pelo estudante, conforme reconhecido pelo MEC e pela ANAMBA – Associação Nacional de MBAs, além de outros requisitos de qualidade.

Para cumprir tais propostas e para trazer a melhor capacitação aos alunos, são ministradas dezenas de disciplinas como Finanças, Marketing, Contabilidade, RH e Empreendedorismo.

 

Os alunos buscam vivência prática além da visão teórica:

Por tradição e para testar os conhecimentos dos alunos, as instituições costumam aplicar provas, solicitam artigos e/ou monografias e, não raro, ao final do curso estes devem desenvolver um TCC – trabalho de conclusão de curso – descrevendo uma base teórica e um estudo de caso sobre uma das disciplinas do curso.

Raramente nestes cursos o aluno tem a oportunidade de vivenciar uma experiência prática de qualquer das disciplinas. Ainda que façam trabalhos de ótima qualidade em qualquer destas disciplinas estes jamais serão testados em ambiente real, até que voltem a suas empresas.

 

Alunos de MBA precisam da habilidade em tomar decisões:

A habilidade de Tomar Decisões é um dos principais objetivos no desenvolvimento dos líderes e gerentes nas empresas.

Para isso, as empresas fazem programas de desenvolvimento de lideranças nas empresas através de treinamentos específicos e incentivam os funcionários de maior potencial a fazer um MBA – não raro dando um bolsa integral ou parcial.

Jovens profissionais também tomam a iniciativa de fazer um bom curso MBA, em geral poucos anos depois de formados, tentando acelerar seu desenvolvimento pessoal e profissional visando crescer mais rápido na empresa ou no mercado.

Como desenvolver a habilidade de tomada de decisões então?

 

Os Jogos de Empresas nos cursos MBA:

A Teoria dos Jogos vem sendo estudada ao longo dos anos exatamente para entender como funciona o processo de Tomada de Decisões na vida das pessoas e nas organizações, procurando desenvolver métodos e proposições para equacioná-las.

Para incorporar estas teorias aos cursos acadêmicos e treinamentos corporativos, estudiosos e empresas desenvolveram material didático e programas de computador para a condução das disciplinas Jogos de Empresas, muitos deles já disponíveis no mercado brasileiro.

 

Os Jogos de Empresas na prática:

Algumas empresas oferecem Jogos de Empresas baseados em cartelas e acessórios físicos, ficando por conta dos moderadores conduzirem o desenvolvimento das práticas. São baratos, fáceis de usar e em geral focados em aspectos específicos como a definição do FOFA (forças, oportunidades, fraquezas e ameaças) em um estudo de Marketing.

Outras ofertam programas de computador – denominados Simuladores – que também requerem a atuação de moderadores, mas de uma forma diferente.

Após a entrada das variáveis de decisão pelos grupos de alunos, o moderador aciona o simulador, que emite relatórios a serem analisados pelos grupos para observação dos resultados obtidos. Mais abrangentes na abordagem muitos ainda padecem da falta de interatividade, são limitados em número de variáveis e tipos de relatórios.

Os simuladores mais atuais, como os da Simulare, oferecem várias configurações de jogos, facilidades para os moderadores habilitarem ou omitirem variáveis diversas, relatórios e gráficos interativos e até sistemas de apoio a decisão para que os alunos analisem os potenciais impactos das decisões em análise anterior ao lançamento das decisões.

 

Simuladores:

Com vários fornecedores de simuladores no Brasil e no exterior, é natural que existam diferentes soluções para diferentes públicos e segmentos. Assim, podem ser encontrados simuladores de atuação em bolsa de valores, no segmento financeiro, no varejo, em manufatura – atrelados ou não a algum ERP – em serviços, etc.

O importante é que a ferramenta seja desafiadora, porém acessível, que facilite e estimule o trabalho em equipe sem prejuízo da importância de cada participante, que dê uma visão detalhada da empresa ao mesmo tempo que permita a comparação com os demais competidores, que tenha um número adequado de variáveis de decisão, mas que permita a compreensão da interdependência entre as partes para atingir o resultado final.

 

Considerações finais:

Um curso MBA deve ter uma boa fundamentação acadêmica, mas não pode se limitar a isso.

Os simuladores de Jogos de Empresas – Business Games – foram desenvolvidos para que os alunos vivenciem a experiência na tomada de decisões, em ambiente de incerteza por não saber quais as decisões dos demais competidores e sob pressão do tempo conforme estabelecido pelo moderador.

Se vivenciar o processo de decisão é muito importante para o estudante de MBA é ainda mais importante para participantes de treinamentos corporativos, seja para um grupo de gerentes juniores recém nomeados ou para a reciclagem de gestores experientes.

Voltaremos ao assunto.

Flávio Carazato

Flávio Carazato

MSc, MBA

Lidera a Carazato Educação e Treinamento desenvolvendo e ministrando disciplinas em cursos MBA e treinamentos corporativos em Jogos de Empresas.

Gostou deste post e quer mais conteúdo? Assine a newsletter e receba nossos textos por e-mail!

Veja mais: