Com a tecnologia preenchendo os mais diversos âmbitos da vida cotidiana, ignorá-la pode ser um grande entrave para alcançar o sucesso.

Multinacionais e grandes organizações, por exemplo, já perceberam há algum tempo como a tecnologia pode ser uma grande aliada. Não é novidade que essas empresas têm procurado trabalhar de forma interativa até para profissionalizar e educar seus colaboradores.

Por isto, inserir conteúdos interativos na sala de aula, além de proporcionar um ensino mais rico e dinâmico, proporciona um preparo muito mais avançado do aluno para o mercado de trabalho. Afinal, com as diversas opções de aulas interativas, a atualização também leva a um aprendizado que se aproxima cada vez mais das situações da vida real, inclusive com simuladores.

Aulas interativas: o que são?

Ensinar e capacitar alunos são grandes desafios, principalmente com as constantes mudanças nas dinâmicas sociais, atualizadas pelo envolvimento das pessoas com as tecnologias. A leitura se dá de forma diferente de antes, assim como a retenção da atenção de cada aluno em um determinado assunto.

As aulas interativas, então, surgem para atualizar o ensino, transformando a sala de aula em um ponto de partida para novos aprendizados, multiplicando as formas de passar o conhecimento.

A partir de novas tecnologias ou metodologias, o aluno deixa de absorver os conteúdos passivamente e se torna um agente ativo no processo de ensino-aprendizagem.

Se você está em busca de lecionar uma boa aula para seus alunos e elevar a qualidade do seu ensino, este post vai lhe ajudar. Confira agora 4 sugestões de aulas interativas e suas funcionalidades para você oferecer um conteúdo prático e dinâmico em sala de aula:

1. Sala de Aula Invertida

Tratada como a “sala de aula do futuro”, esta modalidade tecnológica transforma o aluno em protagonista no aprendizado. Com o intuito de conferir autonomia aos estudantes na prática educativa, na Sala de Aula Invertida, ou Flipped Classroom, em inglês, o professor proporciona os conteúdos para os alunos antes da aula propriamente dita.

Assim como muitas universidades fazem com a disponibilização de textos para estudos, este modelo de aula disponibiliza aos alunos vídeos, podcasts, jogos ou outros recursos que promovem uma aprendizagem prévia por um meio virtual.

Posteriormente, por isto a ideia de ‘inversão’, o docente irá sanar as dúvidas, provocar debates, aprofundar conceitos e também aplicar exercícios para a fixação daquele conteúdo interativo.

Um estudo organizado pela Universidade de British Columbia, nos Estados Unidos (EUA), levantou que, após a utilização desta metodologia, houve um aumento de 20% na presença em sala, 40% na participação dos alunos nas aulas e 80% dos participantes concordavam que o formato proporciona mais envolvimento com os demais alunos.

Isto porque, neste modelo, a figura do professor é valorizada enquanto mediador do conhecimento, o que contribui para o desenvolvimento ou ampliação de aptidões como autonomia, responsabilidade, autogestão, independência, capacitando o aluno para uma atuação no mercado de trabalho muito mais eficiente e proativa.

2. Jogos de interação virtual

Os jogos também são alternativas tecnológicas fascinantes quando o assunto é promover a interatividade em sala de aula. Até porque a estratégia dos games é a de proporcionar um aprendizado sem que seja percebido, por meio da diversão.

Simuladores empresariais, por exemplo, podem ser facilmente adaptados para as aulas que buscam promover conhecimentos nas áreas de negócios, gestão ou empreendedorismo.

Os Jogos de Empresas, como são chamados, podem compor disciplinas regulares de simulação de gerenciamento. Por meio de um ambiente fictício, que se assemelha à realidade cotidiana enfrentada nas empresas, esses jogos simulam situações-problema. O objetivo é que os alunos realmente tenham que decidir e lidar com as situações para aprender, seja em grupo ou individualmente.

Além disso, os jogos empresariais também proporcionam a fixação de determinados conceitos e elementos das teorias administrativa e econômica, possibilitando uma análise das atitudes e comportamentos daquele aluno em situações simuladas. As modalidades mais conhecidas são:

  • Jogos Comportamentais: trabalham o relacionamento em grupo, a cooperação e a cordialidade;
  • Jogos de Mercado: voltados para pesquisas de mercado, concorrência e relação com fornecedores;
  • Jogos de Processo: visam simular negociações, administração de finanças ou gestão de estoque;
  • Jogos Funcionais: pensados para focar áreas relevantes como marketing, gestão de pessoas e contabilidade numa empresa;
  • Jogos Sistêmicos: mais gerais, abrangem a totalidade de uma empresa, com a simulação de problemas e a organização dos setores organizacionais.

3. Júri Simulado

O Júri Simulado também proporciona uma aula muito mais interativa e dinâmica. A partir da exposição de um problema inicial, os alunos se dividem entre grupo de defesa e grupo de acusação e devem apresentar seus argumentos.

A proposta é que os alunos possam se aprofundar em um tema, construindo e alimentando a capacidade crítica. Além disso, a partir de um problema concreto, desenvolvem-se outras habilidades como organização, argumentação, levantamento de hipóteses, diálogo e exposição das ideias.

4. Hipertexto

Para acompanhar a forma como as pessoas atualmente leem e navegam na internet, a técnica do hipertexto (ou hiperlink) também pode ser levada para as salas de aula para gerar uma aula mais interativa.

O hipertexto hoje consiste em ligar diferentes plataformas ou mesmo assuntos similares que se complementam, enriquecendo o debate e a exposição teórica.

Por exemplo: fotos, sons, vídeos, notícias ou mesmo pesquisas online podem ser configuradas como um hipertexto para a aula. Além de servirem como exemplos para os temas abordados, permitem suscitar discussões, gerar dúvidas ou até aguçar o interesse dos alunos em sala.

O Socrative, por exemplo, permite que sejam criadas e enviadas perguntas em tempo real para os alunos, incentivando sua participação. Essa é uma opção de hipertexto para a realização de tarefas ou avaliações. Já o Thinglink é uma plataforma que permite que sejam agregados balões, vídeos, imagens e outros recursos multimídia para integrar o conteúdo em sala.

Com essas dicas fica muito mais fácil oferecer uma forma diferente de ensino, capacitação ou treinamento. São opções muito simples de implementar no cotidiano da sala de aula que permitem aulas interativas de verdade, sem altos gastos.

Então, se você gostou dessas ideias, aproveite e compartilhe este texto em suas redes sociais para que outros educadores possam também aliar as tecnologias às práticas interativas em sala de aula.

English EN Portuguese PT Spanish ES